Ainda está de fora dos investimentos alternativos ?

Publicado em 19/10/2020 Por Equipe Balko

A queda das taxas de juros é uma realidade. Howard Marks, co-fundador e presidente da Oaktree Capital Management, a maior autoridade global em investimentos em títulos de risco, declarou em memorando do último dia 13 que “a baixa rentabilidade representa a principal característica do ambiente financeiro atual”.

Em “Coming into focus”, Marks apresenta e defende os investimentos alternativos como uma saída inteligente para o problemático trade-off: ficar líquido e ter uma rentabilidade próxima de zero; ou investir de forma mais agressiva em mercados mainstreams e se sujeitar a um prêmio de risco não compatível à agressividade.

Também reitera que o aumento do apetite a risco é uma das estratégias para o investidor sofisticado superar esse momento e “fazer o dinheiro trabalhar”.

No Brasil, investidores parecem determinados a seguir o conselho de Howard Marks ao buscarem nos ativos alternativos a saída para voltar a rentabilizar seus patrimônios. Em Abril o Valor Econômico já ressaltava o crescimento do investimento em créditos judiciais. Dentre as classes de ativos mais procurados, estão os precatórios – dívidas do governo oriundas de ações judiciais, que até pouco tempo atrás eram restritas a investidores institucionais e a gestores de grandes fortunas.

Grosso modo, o precatório representa a vitória de uma ação judicial contra o Estado (município, estado ou União). Após o trânsito em julgado, a Justiça emite um processo com uma ordem de pagamento de um valor (benefício) que o Estado deverá pagar em favor do vencedor da ação (credor). É esse processo que recebe o nome de precatório.

Ocorre que o pagamento do benefício demora meses ou até anos para ocorrer. Os credores que não desejam esperar têm a oportunidade de vender seus precatórios – com deságio – a investidores que podem esperar. Essa dinâmica de antecipação de recebimento e repasse de risco é que deu origem ao mercado de precatórios.

“O fato de o crédito do precatório estar lastreado em uma decisão judicial diminui as incertezas, quando comparado a outros investimentos alternativos”, explica Caio Fasanella, CEO da Balko, empresa que oferece a oportunidade de investir em precatórios cuidadosamente selecionados por seus advogados.

“Nossa equipe jurídica realiza uma rigorosa diligência na ação judicial, no credor originário e na capacidade de pagamento do ente público devedor. É esse cuidado que atrai a confiança dos nossos investidores”, completa Caio.

Ao realizar uma minuciosa curadoria de ativos, a Balko consegue oferecer ao mercado produtos que combinam alta rentabilidade-alvo com alta confiabilidade. Em Agosto, a Balko concluiu operações que proporcionaram rentabilidade anualizada de mais de 40%, resultando em um crescimento de demanda que superou as expectativas mais otimistas.

Agora, a empresa se prepara para um novo lançamento, de maior volume, que atenda à expectativa desse novo perfil de investidor pessoa física, que é consciente da nova realidade brasileira em que a fórmula tesouro/ações/FIIs não é suficiente para remunerar o patrimônio como foi no passado.

Se você ainda está de fora do universo dos investimentos alternativos – que em 2018 totalizou US$ 13,4 trilhões e que deverá representar de 18% a 24% do mercado global de investimentos até 2025 (de acordo com a Chartered Alternative Investment Analyst Association), cadastre-se aqui no site da Balko. Você receberá conteúdos educativos e será avisado sobre as próximas rodadas de investimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vender meu
precatorio